Coragem: aprender faz parte da vida

Escrito por Thaís Bechara. Publicado em Blog.

Um passeio. Um olhar, uma escuta, um pensamento.

Passear sem se preocupar com o que os olhos vão enxergar.

O cenário é de um dia lindo, repleto de sol e calorzinho na medida certa.

Pessoas... várias pessoas...

Uma criança corre da onda para fugir do mar que insiste em pegá-la. Não sabe ainda, mas um dia vai aprender que isso tem a ver com a maré.

Outra criança sai correndo e, sorrindo, faz de tudo para espantar algumas pombas. Até tenta alcançá-las, mas não tem jeito! Aprende a lidar com a sensação de que nem tudo na vida, conseguimos atingir com facilidade.

Uma mãe não pode deixar de responder uma mensagem no WhatsApp. Deve ser urgente... ou não... Infelizmente, perde o momento em que o filho descobre que não é possível segurar a água do mar com as mãos por um longo tempo. E olha que ele tenta de todas as formas! O filho até busca argumentar com a mãe que olha, escuta, mas não ouve. Aprende que será preciso se esforçar muito para que o mundo possa ouvi-lo.

Lá, mais adiante, um adulto justifica com a criança que está frio e que tomar sorvete está fora de cogitação. Não sei se tal argumento convence a criança. Está frio para tomar sorvete, mas não está frio para ir à praia, entrar no mar e brincar no sol? Como assim?  Aprende que, nem sempre, um  argumento  tem coerência.

Tem também aquela criança que deseja  curtir um pouco mais o momento de fazer um castelo de areia, mas o pai quer ir embora. Até ameaça deixá-la sozinha, mas como toda criança esperta, já teve outras oportunidades de perceber que os pais jamais a deixariam  sozinha, então ignora o apelo e continua sua construção na areia. Aprende que quem manda na família é ela e ponto final.

Brigando com a obrigação

Escrito por Thaís Bechara. Publicado em Blog.

 

Recentemente, circulou um artigo de Nelson Barros,  no Facebook,  dizendo que ninguém é obrigado a nada.

O texto  dialoga com o leitor, deixando bem claro o quanto não precisamos ter  e nem fazer coisas que não são importantes para nós.

Não precisamos fazer o que não queremos. Não precisamos gostar de coisas só porque muita gente diz gostar.

Pensando nessa ideia, é comum depararmos com pessoas que travam uma luta interna porque se obrigam a serem felizes o tempo todo e a terem sucesso, ininterruptamente, porque é assim que dizem que tem  que ser e viver no mundo atual.

Agora, vamos encaminhar a conversa para o espaço escolar!

O que um aluno não é obrigado a fazer?

Conversando com Educação - 2013. Desenvolvido por