Uma comunicação com o coração

Escrito por Conversando com Educação. Publicado em Pais e Filhos.

foto Joana Collaço
 
Nós, do Conversando com Educação, queremos compartilhar a crônica "Da separação à alienação parental! " de Joana Collaço que com muita clareza e sensibilidade teceu a visão de um jovem e sua emocionada experiência ao falar  das lembranças  da infância,  da comunicação dos seus pais sobre a separação, os sentimentos e atitudes na guarda compartilhada.
 
É uma leitura preciosa para todos nós: pais, filhos, avós, professores, psicopedagogos, psicólogos, que nos tocará muito  e nos fará entender o sentimento da criança, do adolescente e do adulto sobre a nova situação com dicas interessantes.
 
Clique e se emocione:
https://joanacollaco.com/2016/06/02/da-separacao-a-alienacao-parental/
 
Joana Collaço
http://joanacollaco.com/
Psicóloga com o mestrado em psicologia educacional, formação em terapia cognitiva e comportamental com crianças e adolescentes, pós-Graduação em neuropsicologia entre outras formações. Vive em Portugal. As crónicas têm o intuito de partilhar com os pais, professores e todos os interessados, aquilo que pode ser o ponto de vista de algumas crianças/adolescentes sobre os mais diversos temas e problemas do mundo que os rodeia.
 

Clique na tecla VÓ

Escrito por Thaís Bechara. Publicado em Pais e Filhos.

 

Em uma determinada época da vida, pais praticam um novo papel: tornam-se avós.

Geralmente, a chegada de um  neto preenche um espaço que, até então, estava vazio, na casa e no coração dos vovós e vovôs.

Os pais dos pais ganham a possibilidade de reviver momentos da infância dos filhos de uma forma mais descontraída e divertida. É ter a chance de criar possibilidades de educar  de um jeito doce e diferenciado.  É saber organizar a vida de uma maneira mais peculiar  e  estabelecer o vínculo  com o neto.

Ter neto dá trabalho, traz responsabilidades, ocupa o tempo.

A companhia de um neto é motivo justificável  para se libertar das obrigações rotineiras . É ter boas razões para priorizar a brincadeira. É não ter pressa  para terminar a conversa. É aproveitar o momento para mostrar como o mundo funciona. É buscar estratégias únicas que ficarão na memória para sempre. É tornar aquela situação comum em algo inesquecível. É ativar os cinco sentidos e aperfeiçoar a escuta, o olhar, o toque, o sabor e a percepção dos aromas.

Visitar a vovó e o vovô  pode ser tão bom quanto saborear um delicioso e preferido sorvete no verão! Conviver com o neto pode ser tão prazeroso quanto viajar pelo mundo!

Ser vovô é buscar neto na escola. É mexer a massa e assar aquele bolo que só tem na casa da vovó. É oferecer aquela mesada  extra. É entender o significado do não e ter aquele afeto disponível guardadinho no coração.

Conversando com Educação - 2013. Desenvolvido por